sábado, 19 de dezembro de 2015


Entrega a tua alma às aves, entrega-lhes o grito, a última luz dos homens -
entrega-lhes o breu.


_________mariagomes

Do poema caminhante
da poalha do amanhecer
do deserto que guardei nos olhos
do amor efémero que uma borboleta me
entregou como um deus
ou como o nome de uma flor na boca
do mar sem fim
sobrou tão pouco.

_____________mariagomes

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015



Amanhã haverá uma árvore uma efígie
de estrelas milhões de folhas
uma mulher sentada
uma mulher que traz a luz dos olhos
na luz da água
na luz silenciosa
na luz sempre azulada

Amanhã haverá uma árvore uma efígie
de estrelas milhões de folhas
e o fogo sobre a mesa.


___________mariagomes

terça-feira, 24 de novembro de 2015



A noite cai. É sempre longe do mar que a noite cai. No mar fica a luz num tom humano de sentimento e memória - um véu que evolui, que vive nos teus olhos.


_____________mariagomes

segunda-feira, 23 de novembro de 2015



Que o momento ombreie o sangue o sol a sombra
porque é Novembro que escreve contra as ondas
a epifania das árvores.


______mariagomes

sábado, 7 de novembro de 2015



Que manhã é esta que parece morrer entre as flores das árvores
e todo o meu interior?
Que cegueira que vigília que silêncio que rumor!...


___________mariagomes

segunda-feira, 26 de outubro de 2015




Aqui tens madrugadas que se adensam como estrelas minúsculas
em acácias.
Aqui tens os olhos cegos
florindo
a lâmina
o rio
o limbo
a última luz.



mariagomes

quarta-feira, 30 de setembro de 2015


Ah o corpo iluminado
Ah o coração mergulhado num campo de neve e de lírios!...
O mar a imaginar o verso, o olvido
O que a terra exala salva a madrugada, meu amor!

________mariagomes


Quem me dera o Outono!
Quem me dera a explosão das paisagens,
vendavais, a leveza vivida da solidão
e da água...
Quem me dera o fogo dos umbrais que me afagam.
Quem me dera um caminho...
E o meu olhar cego,
sem guarda,


___________mariagomes


Quando acendes a noite do meu corpo?
Quando me entregas o mar e o horizonte?
Quando cinzelas a fresca primavera
e fazes um barco
para que eu alcance a imagem do amor?


______mariagomes

E estou eu, de novo, fitando este céu de ilhas, estrelas, medos e navios brandos...
e choro, e o meu choro é sangue.


_____________margomes