quarta-feira, 28 de dezembro de 2016


Da minha morte ninguém falará.
Fecharei os olhos ante paisagens reais.
A minha morte será um delírio,
um excesso, uma dor,  um cais, um desvio...
Seja o que for,
tenho o desejo de não ser em todos os espaços.



mariagomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário